Category: Jornalismo e nada mais

Corinthians: em tarde perfeita, Ceni marca o centésimo e São Paulo derruba o tabu 0

Corinthians: em tarde perfeita, Ceni marca o centésimo e São Paulo derruba o tabu


Os gols da partida

O gol nº 100 de Rogério Ceni

Ouça a narração de José Silvério com reportagens de Leandro Quesada e Alexandre Praetzel
(Grupo Bandeirantes de Rádio)

Dagoberto (39′)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Rogério Ceni (53′)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Dentinho (67′)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

por Sylvio Micelli

Texto originalmente escrito para o Blog Canelada

Uma tarde perfeita para o São Paulo. Venceu seu maior rival por 2 a 1 e o goleiro Rogério Ceni marcou o seu centésimo gol, marca histórica atingida por um dos raros profissionais que existem no futebol atual.

O clássico teve contornos dramáticos com três expulsões e uma pressão do Corinthians nos minutos finais, até pelos absurdos seis minutos de acréscimo.

O Corinthians começou pressionando. Nos primeiros dez minutos, o Tricolor não conseguiu se livrar do ataque corinthiano que marcava a saída de bola. Aos poucos, o São Paulo foi equilibrando a partida. O jogo, truncado no meio de campo, não oferecia muitas jogadas de ataque. As equipes começaram, então, a arriscar de fora da área. Chutes de Dagoberto e Rhodolfo para o São Paulo e Ralf para o Corinthians passaram com perigo pelos respectivos gols adversários.

Justamente de longe, o São Paulo abriu o placar no final do primeiro tempo. Dagoberto dominou a bola, livre de marcação, e de fora da área acertou uma bomba, sem chance para Julio Cesar. A etapa inicial ainda teria lances de perigo de Fernandinho para o Tricolor e de Dentinho que, sem marcação, cabeceou para fora.

No segundo tempo, o Corinthians voltou a pressionar e Rogério Ceni fez milagre em bola chutada por Jorge Henrique.

Aos oito minutos, a consagração do goleiro sãopaulino. Numa disputa de bola entre Fernandinho e Ralf, o árbitro marca falta. Particularmente, não vi falta no lance, mas isso pouco importa. Ceni bateu e a bola foi no ângulo. Julio Cesar tentou, mas nada pode fazer. Reitero, aqui, a marca merecida de um profissional ímpar no futebol brasileiro. Além de bom goleiro, Ceni desenvolveu a habilidade de fazer gols de falta e pênalti. A torcida corinthiana, em que pese as brincadeiras e a cabeça quente, não deve ficar penalizada pelo centésimo gol contra nós. Até nisso, estaremos na história deles.

A partir dos 2 a 0 para o São Paulo, a festa tricolor transformou o jogo numa batalha campal. Nervosos, os jogadores do Corinthians abusaram da violência. Alessandro fez carrinho violento em Dagoberto e foi expulso direto.

Mesmo com um jogador a menos, o Corinthians marcou. Dentinho recebeu bola rápida de Ramírez e chutou de fora da área. 2 a 1 para o São Paulo.

Logo em seguida, Dagoberto fez falta em Ralf, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. E parecia que o Corinthians retomaria o equilíbrio do jogo, em busca do empate. Mas, infelizmente, após falta sofrida e marcada pelo juiz, Dentinho resolveu revidar em Rodrigo Souto e o Timão voltou a ter um a menos em campo.

Daí pra fente, o clássico virou um jogo de ataque e contra-ataque. O Corinthians tentou de todas as formas empatar o jogo e manter o tabu e o São Paulo oferecia perigo quando retomava a bola.

Ainda deu tempo de Julio Cesar fazer grande defesa em boa jogada de Jean e de Rogério Ceni defender uma meia bicicleta de Liédson.

E fim de papo. Merecidamente, o São Paulo venceu por 2 a 1 e acabou com um tabu de quase quatro anos e 11 jogos.

O destaque do jogo é Rogério Ceni. E nem vou escrever de novo o porquê. Ah. Só preciso registrar que Ceni merecia torcida melhor do que a que tem. Cara humilde, simples e trabalhador.

O Timão perdeu o jogo, o tabu e a liderança e caiu para a 3ª colocação do Campeonato.

O Corinthians volta a campo no próximo final de semana, na querida Ribeirão Preto, contra o Botafogo. A data e o horário ainda não foram confirmados pela Federação Paulista de Futebol.

P.S.: Na matéria sobre o jogo, o site do Corinthians divulga que Ceni marcou seu 98º gol e que esta é a marca reconhecida pela Fifa. Particularmente, não gostei da postura. Como já relatei acima, não é demérito nenhum tomar o centésimo gol de um dos maiores goleiros da história. Sejamos torcedores. Não sejamos imbecis.


SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE 2 X 1 SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA

Arena Barueri, em Barueri (SP)
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima
Assistentes: Celso Barbosa de Oliveira e Carlos Alberto Funari
Assistentes adicionais: Luiz Flávio de Oliveira e
Antônio Rogério Batista do Prado
Renda e público: não divulgados

Gols: Dagoberto [S] (39′), Rogério Ceni [S] (53′) e
Dentinho [C] (67′)

Cartões amarelos: Dagoberto, Rogério Ceni, Junior Cesar, Ilsinho e Rhodolfo [S]; Jorge Henrique [C]
Cartões vermelhos: Alessandro e Dentinho [C]; Dagoberto [S]

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva, Miranda e Junior Cesar; Rodrigo Souto (Casemiro), Jean, Carlinhos Paraíba, e Ilsinho (Marlos); Fernandinho (Rivaldo) e Dagoberto
Técnico: Paulo César Carpegiani

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos (Danilo); Ralf, Paulinho, Morais (Luis Ramírez) e Jorge Henrique (Willian); Dentinho e Liédson
Técnico: Tite

Ficha Técnica by Gazeta Esportiva.Net

Diante de racistas de “primeiro mundo”, Neymar fez a diferença 0

Diante de racistas de “primeiro mundo”, Neymar fez a diferença

por Sylvio Micelli

Texto originalmente escrito para o Blog Canelada

Um jogo insosso contra um time ruim e uma vitória. Eis o resumo do amistoso que a Seleção Brasileira fez na tarde de hoje contra a Escócia no Emirates Stadium em Londres. Antes da partida, Ronaldo Fenômeno foi homenageado. Ele se despedirá da Seleção Brasileira em amistoso contra a Romênia, no Pacaembu, dia 07 de junho.

Com a bola rolando, a diferença foi Neymar. Fez os dois gols, mandou uma bola na trave e infernizou a zaga escocesa que parecia, realmente estar usando aqueles saiotes tradicionais.

O atacante santista foi ainda vítima de preconceito racial, esta peste que sempre acontece naquele que é chamado primeiro mundo, diante de atletas negros que desequilibram. Uma casca de banana foi atirada ao gramado. Eu o critiquei no episódio Dorival Júnior, pelo seu comportamente. Hoje eu o defendo, porque o racismo é uma merda. (desculpe, leitor…)

Em relação ao jogo, o Brasil não fez mais que a obrigação. O time da Escócia, nem de longe lembra fazer parte da escola do futebol. Armou uma retranca forte, mas não segurou o futebol de qualidade do Brasil, ainda que muito distante do que é preciso para uma Copa do Mundo.

Os gols foram marcados um em cada tempo. No final do primeiro, André Santos desceu pela esquerda do ataque e tocou para Neymar na grande área. Ele dominou e tirou do goleiro McGregor.

No segundo tempo, Neymar marcou mais um. Ele sofreu pênalti de Adam. E bateu. Brasil 2, Escócia 0. E fim de papo.

O Brasil volta a campo contra a Holanda, em 04 de junho, no estádio Serra Dourada, em Goiânia.

A Fifa precisa tomar uma providência drástica contra o preconceito racial. A única alternativa é suspender times e seleções das competições. O rascismo é nojento e precisa ser banido do futebol.

Brasil 2 X 0 Escócia

Emirates Stadium, em Londres (Inglaterra)
Árbitro: Howard Webb (ING)

Gols: Neymar [B] (41′) e (76′)

BRASIL: Julio Cesar, Daniel Alves, Lucio, Thiago Silva e André Santos, Lucas Leiva (Sandro), Ramires, Elano (Elias) e Jadson (Lucas Moura); Neymar (Renato Augusto) e Leandro Damião (Jonas)
Técnico: Mano Menezes

ESCÓCIA: McGregor, Hutton, Berra (Wilson), Caldwell e Crayney; Morrison (Cowie), Brown, Adam, Whittaker (Commons) e McArthurs (Bannan); Kenny Miller (Smith)
Técnico: Craig Levein

Corinthians e São Paulo: quem é mesmo soberano? 1

Corinthians e São Paulo: quem é mesmo soberano?

por Sylvio Micelli

Texto originalmente escrito para o Blog Canelada


Na tarde deste domingo, Corinthians e São Paulo se enfrentam pela 16ª rodada do Campeonato Paulista. O jogo será realizado na Arena Barueri, devido ao show do Iron Maiden que aconteceu neste sábado, no estádio Cícero Pompeu de Toledo. Com campanhas similares, o Corinthians já classificado para a etapa seguinte do torneio e o São Paulo praticamente classificado, há uma natural tendência de empate.

O terceiro clássico mais importante do Corinthians, entretanto, traz temperos diferentes. O Timão, não perde do Tricolor desde 2007. Nos últimos 11 jogos entre os times, o Timão está invicto com 7 vitórias e 4 empates. Por outro lado, o respeitável goleiro Rogério Ceni poderá marcar um histórico centésimo gol sobre o maior rival. Liédson, com 10 gols marcados em nove partidas, quer assumir a artilharia na ausência de Elano (Santos), que serve à seleção brasileira.

É comum a crônica esportiva afirmar que clássico é clássico e vice-versa. Neste duelo, denominado “Majestoso” pelo jornalista Thomaz Mazzoni, do jornal “A Gazeta Esportiva” a história, porém, é diferente.

O Timão tem uma ampla vantagem. Hoje será o Corinthians e São Paulo de número 292, em 75 anos de disputa. Nas 291 partidas anteriores, o alvinegro de Parque São Jorge venceu 111 vezes. Houve, ainda, 92 empates e 88 vitórias do time do Jardim Leonor.

No ano passado, o Corinthians venceu os três jogos em que enfrentou o São Paulo. Duas partidas foram realizadas no Pacaembu: 4 a 3 no Paulistão, com gols de Elias, Danilo, Roberto Carlos e Alex Silva (contra); e 3 a 0 no primeiro turno do Brasileiro, dois gols de Elias e um de Jucilei. Já no estádio do Jardim Leonor, o confronto terminou em 2 a 0, em jogo válido pelo segundo turno do Brasileirão 2010. Elias e Dentinho fizeram os gols da vitória.

Corinthians e São Paulo decidiram 11 campeonatos, entre Paulista, Brasileiro e Rio-São Paulo. O Corinthians venceu 7 e o Tricolor, 4. O Timão venceu o Paulistão dos anos de 1938, 1982, 1983, 1997 e 2003. O São Paulo venceu em 1957, 1987, 1991 e 1998. O Brasileiro de 1990 e o Rio-São Paulo de 2003 também foram vencidos pelo Corinthians.

Ou seja, a soberania aqui é outra.

O Corinthians entra em campo com seu time titular: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais e Jorge Henrique; Dentinho e Liédson.

De olho no apito

Guilherme Ceretta de Lima apita o jogo. Os assistentes serão Celso Barbosa de Oliveira e Carlos Alberto Funari. O quarto árbitro será Leandro Bizzio Marinho. Os assistentes adicionais serão Luiz Flavio de Oliveira e Antonio Rogério Batista do Prado.

Corinthians goleia, se classifica, tem artilheiro e encara clássico na liderança 1

Corinthians goleia, se classifica, tem artilheiro e encara clássico na liderança

Ouça a narração de José Silvério com reportagens de Leandro Quesada e Alexandre Praetzel
(Grupo Bandeirantes de Rádio)

Paulinho (34′)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Liédson (49′)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Dentinho (73′)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

por Sylvio Micelli

Texto originalmente escrito para o Blog Canelada

Na primeira e agradável noite de outono, tudo deu certo para o Corinthians. Jogando no Pacaembu, o Timão não teve dificuldades para vencer o Oeste de Itápolis por 3 a 0. Não foi uma grande partida, mas o resultado positivo trouxe a equipe de Parque São Jorge de volta à liderança do Campeonato Paulista.

Mais que isso: o Corinthians está matematicamente classificado para as quartas de final do campeonato, com quatro rodadas de antecedência. Ou seja, o ambiente é de plena tranquilidade, mais que necessária para o jogo do próximo domingo, que será o clássico e a defesa do tabu contra o São Paulo. O Tricolor do Morumbi foi derrotado em Jundiaí pelo Paulista por 3 a 2.

Como tem acontecido com todas as equipes que jogam contra o Timão na Capital, o Oeste armou-se bem na defesa e tentava explorar o contra-ataque. O trio de ataque do Corinthians, formado por Liédson, Dentinho e Jorge Henrique foi bem marcado. Mesmo assim, as chances surgiram. Dentinho quase abriu o placar no começo do jogo. A bola triscou a trave depois de passe de Morais.

Se os atacantes estavam bem marcados, o meio de campo resolveu aparecer. Paulinho quase marcou de letra e Ralf bateu a bola por cima. A defesa também compareceu com jogadas de Chicão e Fábio Santos.

E daí surgiu o primeiro gol. Uma jogada de Fábio Santos é desviada para escanteio. Morais bate e Paulinho sobe, na marca penal, e com categoria cabeceia a bola tirando do goleiro Fábio. A bola ainda bateu levemente na trave.

O Oeste chegou apenas com um chute de Anselmo Ramon, bem defendido por Julio Cesar. E o primeiro tempo terminou 1 a 0.

O Timão voltou no segundo tempo a todo vapor e Tite demonstrou inteligência. Ao colocar o Corinthians de forma recuada, o Oeste tentou sair da retranca. E se deu mal.

Aos três minutos, bela jogada do ataque corinthiano. Jorge Henrique passa a Dentinho que bate colocado e quase marca. No minuto seguinte, Liédson não perdoou. Com a bola dominada, de fora da área, ele chutou forte no canto esquerdo para fazer 2 a 0. Foi o décimo gol de Liédson em nove jogos e ele alcançou o meia Elano do Santos, na briga pela artilharia.

O resultado adverso fez com que o Oeste se lançasse mais ao ataque e oferecesse algum perigo. Enquanto isso, o técnico Tite deu início às suas substituições, que já viraram padrão. Saiu Morais para a entrada de Luis Ramíres. Depois foi a vez de Jorge Henrique dar lugar a Bruno César. E aí saiu o terceiro gol.

Bruno César mal tinha entrado, recuperou a bola, tocou para Liédson que cruzou para a segunda trave. Dentinho dividiu com o zagueiro e marcou de barriga.

E poderia ter sido mais. Depois de cruzamento mal rebatido pela defesa, Dentinho cruzou para Liédson cabecear no canto esquerdo e obrigar o goleiro Fábio a fazer um milagre. Liédson ainda deu lugar a Willian e Bruno César perdeu um gol feito. O Timão seguiu pressionando até o final, mas o jogo terminou “só” 3 a 0.

Com goleada, liderança e artilharia, o Corinthians cumpre sua missão e encara o São Paulo no clássico de domingo, que será realizado na Arena Barueri.


SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA 3 X 0 OESTE FUTEBOL CLUBE

Estádio Paulo Machado de Carvalho, Pacaembu,
São Paulo (SP)

Árbitro: José Claudio Rocha Filho
Assistentes: Marco Antonio Monteiro Bagatella e
Mauro André de Freitas

Assistentes adicionais: Marcelo Rogério e Alessandro Darcie
Público: 8.600 pagantes
Renda: R$ 267.012,50

Gols: Paulinho [C] (34′), Liédson [C] (49′) e Dentinho [C] (73′)
Cartões amarelos: Chicão e Luis Ramírez [C]; Dionísio, Cris e Alex William (O)

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Morais (Luis Ramírez) e Jorge Henrique (Bruno César); Dentinho e Liédson (Willian)
Técnico: Tite

OESTE: Fábio; Cris (Rafael Caldeira), Adriano Alves e Paulo Miranda; Léo Salino (Marino), Márcio Passos, Dionísio, Roger e Fernandinho; Anselmo Ramon (Alex William) e Fábio Santos
Técnico: Luís Carlos Martins

Ficha Técnica by Gazeta Esportiva.Net

Timão do quase: Adriano dentro, Bruno César fora e PH Ganso… 0

Timão do quase: Adriano dentro, Bruno César fora e PH Ganso…

por Sylvio Micelli

Texto originalmente escrito para o Blog Canelada

Faltando menos de dois meses para o início do Campeonato Brasileiro, o mercado do futebol começa a aquecer, definitivamente. Novas receitas e ideias mirabolantes aparecerem. Outras notícias requentadas também.


Adriano quase dentro

O atacante Adriano está praticamente certo no Parque São Jorge. Mas tanto diretoria, quanto jogador tratam o assunto com frieza. Estigmatizado com transações que não deram certo, o Corinthians quer evitar uma expectativa que não se concretize. Tite já deu sinal positivo e quer o atacante.

Como é cediço, Andrés Sanchez se apresenta contra a ideia, mas não descarta que seria uma contratação que traria ainda mais mídia para o time.

Já escrevi por aqui que ele deve vir por intermédio da 9ine Sports & Entertainment de Ronaldo Fenômeno e a custo zero para o Timão. Trata-se, ainda, de um contrato de “risco”. Adriano receberia R$ 300 mil fixos, mais produtividade.

Que Adriano é um bolão, todos sabemos. Com foco apenas na bola pode ajudar o Corinthians no Campeonato Brasileiro e em vôos mais altos. Tem jeitão de que deve cair no gosto da Fiel, fácil. O manto sagrado combina. Mas será uma relação de amor e ódio no limite. Qualquer pisada na bola, azedará a maionese.

Se vier, que seja bem-vindo. Depois de termos um “Rei” (Rivellino) e um “Fenômeno” (Ronaldo), o manto sagrado será vestido por um “Imperador”.


Bruno César quase fora

Não há mais clima para Bruno César no Timão. É uma pena. Acho que ele tem plenas condições de ser titular no time, mas não caiu no gosto de Tite. Tudo bem que o atleta não esteja próximo do craque-revelação do Brasileirão do ano passado, mas não era para ter virado bode expiatório, logo após a eliminação na Libertadores.

O jogador até tentou voltar bem, mas sem ritmo de jogo fica difícil. Tite diz não querer dispensá-lo como uma boa opção. Bruno não quer, nem merece a reserva.

Ele deve ir mesmo para o futebol português quando abrir a “janela” europeia. Não irá para o Porto, como se especulou num primeiro momento. Mas há fortes indícios de que ele vá para o Sporting que até outro dia abrigava Liédson.


E Paulo Henrique Ganso?

O atleta, ainda santista, escancarou geral. Quer ir embora para o futebol europeu. Sente-se, com razão, desvalorizado no clube. É uma relação que não tem mais volta. O atleta só não tem sido chamado de santo por boa parte da torcida, mas, sendo muito sincero, ele deveria ter igual tratamento ao de Neymar. Não teve. Não terá.

A diretoria do Santos acenou com a possibilidade de redução da multa. Claro que o presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, vulgo LAOR, bate o pé na questão da multa, mas se vier uma proposta…

Leonardo, técnico da Internazionale, quer o jogador “amanhã”. E a DIS, que detém parte dos direitos do atleta, voltou a sondar clubes brasileiros. Voltou a ideia, uma notícia requentada, de que a Hypermarcas toparia trazer PH Ganso para o Corinthians.

Acho improvável. Mas aguardemos.

5 visitantes online agora
1 visitantes, 4 bots, 0 membros
Máx. de visitantes hoje: 9 às 12:43 am BRT
Este mês: 21 às 05-16-2018 08:26 pm BRT
Este ano: 29 às 03-29-2018 05:20 am BRT
No total: 111 às 03-18-2011 02:35 am BRT