Category: Jornalismo e nada mais

Morte e redenção 1

Morte e redenção

por Sylvio Micelli

O “capo” caiu. Zé Dirrrrrrrceu, o super-ministro de Lula, o Golbery do PT já era. Confesso que não imaginava que isso poderia acontecer. E me baseio numa informação simples. Estava eu em Brasília, no começo de 2003, tudo novo e esperançoso, quando uma amiga, assessora de um parlamentar petista, confidenciou-me o que já imaginávamos: “ele [Dirceu] é o primeiro-ministro. É o que manda. É mais fácil cair o Lula do que ele”.

Dois anos e meio depois a realidade foi outra. Lula, para tentar salvar alguma coisa, cortou seu braço direito. E, apesar das negativas, Roberto Jefferson obteve sua primeira vitória. Ele que na terça-feira foi claro ao afirmar para Dirceu sair rápido. E saiu.

Vamos então analisar a massa falida. O teatro de horrores de Roberto Jefferson deve ter suas verdades. Afinal, derrubou o Chefe da Casa Civil da Presidência sem, sequer, mostrar provas. Dirceu perde ao voltar para a Câmara dos Deputados. Não apenas a pose. Ele arrumou muitas inimizades nesses trinta meses. É comum ouvir pelos corredores do Congresso que o Planalto, leia-se José Dirceu, não coopera com os parlamentares da base.

Quem ganha com a saída do Zé é Palocci. Um político mediano de Ribeirão Preto (quem conhece a cidade sabe o que estou falando) e que herdou o espólio político de Celso Daniel, assassinado há poucos meses da eleição de 2002.

Para Lula restam duas alternativas. Ou ele começa a de fato governar. E prova aquilo que a maioria já imaginava, ou seja, que ele era um fantoche na mão de Zé Dirceu. Ou ele toca a bola até o final do jogo para não perder mais.

Como seria governar um desgoverno? Lula tem 18 meses para virar o jogo e sem pirotecnia. Fazer uma reforma ministerial grande e densa. Cortar outros amigos e colocar os ministros para trabalhar, o que não aconteceu até aqui, com as exceções de praxe. Caberá ainda ao Presidente peitar a política econômica e exigir a queda dos juros para que o crescimento no país ocorra no segundo semestre e que ele ganhe oxigênio para 2006. O maior líder sindical brasileiro ainda deverá viajar menos para o exterior e se concentrar nos problemas nacionais.

Assumir que programas sociais fetichistas, como o Fome Zero por exemplo, não surtiram o efeito prático nem midiático imaginado e mexer no chiqueiro. Não há como se alimentar os porcos sem entrar lá dentro.

É isso. E seria a redenção. Toda essa história tem como principal vítima o povo brasileiro. Que acreditou, deu um cheque em branco para Lula e ele não saldou o crédito dado por 50 e tantos milhões de brasileiros, incluso este medíocre jornalista. Do contrário será a morte… Morte política de Lula, do PT e agregados. E a morte pior que é a vergonha sentida em ser brasileiro.

Sou um potencial ignorante! 0

Sou um potencial ignorante!

donkeypor Sylvio Micelli

Seria cômico, se não fosse trágico, a capacidade dos neopetistas em usarem artifícios outrora defenestrados contra seus opositores… Apresentam números da era FHC como se quisessem um álibi ou um “habeas” qualquer coisa para justificar o injustificado… Alegam que o país foi saqueado durante 502 anos. Mas nesses últimos dois anos e meio, a sede petista e agregados, é voraz.

Quando digo neopetista, óbvio que me refiro aos que se entregaram às benesses do poder, a começar por Luiz Inácio. A manutenção do “status quo” dos 8 anos de “desgoverno” de FHC e companhia é tamanha que chego a pensar que sou um cidadão inconsciente…

Provavelmente devo ser ignorante – de pai e mãe – e lamento aqui os quase 27 anos de estudos ininterruptos que passaram pelos ensinos fundamental, médio, superior, licenciatura e pós… Especializei-me em política, mas não sei o porquê. O mestre Cony já definiu essa nossa ignorância de cada vez entender menos…

Aquilo que li em Foucalt, Gramsci ou Bobbio, além de Maquiavel, nada me serve. Agora querem me convencer, repito, um ignorante de pai e mãe, que esses 30 meses de “desgoverno” do PT não é igual ao que vimos nesses últimos 20 anos de democracia imberbe, quase infantil.

Senão vejamos:

– em 1985, quando Sarney, hoje aliado de Luiz Inácio, tomou posse (contestável do ponto de vista constitucional) representava a continuidade de um modelo perpetrado pela Arena. Ele que até o ano anterior era presidente do então PDS e deu um golpe de mestre. E contou com a sorte de Tancredo ter falecido (em condições tão controversas quando à morte de Elvis ou Paul McCartney)… Depois de choques econômicos, as malfadadas leis delegadas, Sarney, hoje aliado de Luiz Inácio, ampliou o próprio mandato e a patuléia como diria o mestre Élio Gáspari, esperou mais um tempo para ir às urnas. E para eleger quem?

– em 1990, Collor tomou posse como o primeiro presidente eleito pelo povo após 30 anos. Foi com Collor que nasceu, também, o produto de marketing eleitoral. Nada contra os sérios profissionais desta área. Mas deu no que deu… Após choques, tungas e escândalos, Collor foi “saído” pela Mídia, pelos “cara-pintadas” teleguiados e porque não “compôs” com o Congresso, como os seus sucessores, Luiz Inácio incluído, são tão hábeis em fazer… Importante lembrar que Renan Calheiros, hoje presidente do Senado Federal e parceiro de Luiz Inácio foi o homem da patrulha de choque de Collor…

– tivemos, enfim um oásis com Itamar Franco e seus topetes. Copa do Mundo, Real, modelos e desfiles de escola de samba fizeram com que a mesma patuléia se regozijasse com a paridade do dólar como se fôssemos uma enorme Puerto Rico…

– veio, enfim, os difíceis anos FHC… O primeiro tempo de um mandato de oito anos, a mesma patuléia permanceu com seu gozo capitalista… Quando o “Deus-mercado” espirrou a maré foi alta e atingiu o Brasil… Mas FHC foi um “hábil” negociante com o Congresso na questão da reeleição e das pirata… ops privatizações… O “plebiscito” em que se transformou a eleição de 1998 manteve mais 4 anos a nefanda administração de FFHH, e que mestre Gáspari, permita-me o plágio.

– confesso que nunca vi Luiz Inácio como político. Sempre o respeitei pela história que o personagem “Lula” protagonizou nos chamados anos de chumbo… Rendi-me em 2002 ao anseio popular. Eu e mais de 50 e tantos milhões de brasileiros tiveram que escolher entre a continuidade de FHC e PSDB com José Serra (e isso seria mais ou menos como temos visto na sua administração na capital paulistana onde mais se reclama dos que se foram e, espero que seja para sempre) e entre Luiz Inácio, que representaria o povo no poder…

– Oh Deus! Ledo engano! E eu não voltei no marketing eficaz de Duda Mendonça. Votei em Luiz Inácio, de forma consciente. Teclei o 13 e fiz pensamento positivo “agora vai”…

– A realidade está aí tão nua, tão crua, tão débil, tão amarga que o féu na boca faz-me pensar em sair do Brasil. O Partido dos Trabalhadores perpetua, a cada dia, nesses 900 dias de “desgoverno”, o maior estelionato eleitoral jamais visto, ao menos por mim, e repito, um ignorante de pai e mãe…

– O primeiro golpe já senti em 2003 com a Reforma da Previdência que retirou direitos dos trabalhadores e dos servidores públicos… Andava pelo salões verde e azul no Congresso Nacional e não me conformava com aquilo que haviam votado os parlamentares do PT em 1998 e, como mudaram com a chegada ao poder. E apanhei, pasmem, da polícia petista dentro do Congresso Nacional que foi fechado por ordem do então presidente da Câmara, João Paulo Cunha – que até chorou à época, tal e qual lágrimas de crocodilo, e que pleiteia concorrer ao governo paulista, sem muitas chances, diga-se de passagem.

– Nesses últimos 30 meses percebi como sou ignorante. Como poderia acreditar que Luiz Inácio com seus ministros fracos e perdidos, com raríssimas exceções, poderia resolver alguma coisa… Mas jamais imaginei que as mesmas armas, truques e atitudes da política mais baixa fossem praticadas por aqueles que eram os síndicos do país… Ainda bem que Tim Maia morreu antes.

– Hoje, por mais que leia, menos entendo. Leio jornais, revistas e navego pela rede… CPIs abafadas, liberação de verbas, “contentamento” da base. Tudo tão lascivo. Tudo tão promíscuo. Tudo tão igual. E não me venham com piadas ou números que apenas tentam dizer para mim – um ignorante – “olha, ladrão que rouba de ladrão tem 100 anos de perdão”.

– Gargalhei muito de raiva e morbidez quando Severino foi eleito presidente da Câmara. Ele é o retrato fiel da nação tupiniquim. Defende o nepotismo, ajuda bêbados em sua terra natal e diz a quem tem ouvidos de escutar que é isso mesmo “tudo farinha do mesmo saco”.

– Lembrei-me de algo que pode explicar essa dicotomia de Luiz Inácio e seus trocentos picaretas porque vão-se os dedos e ficam os anéis. Eu, um ignorante convicto, votei no mito. Edson Arantes do Nascimento sempre se refere ao seu personagem “Pelé” como uma outra pessoa. É comum ele dizer o Pelé é imortal mas o Edson é um ser humano como outro qualquer. Para o mito “Lula” acho que vale a mesma assertiva. Mas jamais pensei que Luiz Inácio fosse tão qualquer assim.

9 visitantes online agora
0 visitantes, 9 bots, 0 membros
Máx. de visitantes hoje: 13 às 09:33 am BRST
Este mês: 26 às 10-06-2017 06:47 am BRT
Este ano: 31 às 03-30-2017 10:25 am BRT
No total: 111 às 03-18-2011 02:35 am BRT